Certa ocasião, um perito na lei levantou-se para pôr Jesus à prova e lhe perguntou: “Mestre, o que preciso fazer para herdar a vida eterna? ” “O que está escrito na Lei? “, respondeu Jesus. “Como você a lê? ” Ele respondeu: ” ‘Ame o Senhor, o seu Deus de todo o seu coração, de toda a sua alma, de todas as suas forças e de todo o seu entendimento’ e ‘Ame o seu próximo como a si mesmo’”. Disse Jesus: “Você respondeu corretamente. Faça isso, e viverá”. Mas ele, querendo justificar-se, perguntou a Jesus: “E quem é o meu próximo? ” Em resposta, disse Jesus: “Um homem descia de Jerusalém para Jericó, quando caiu nas mãos de assaltantes. Estes lhe tiraram as roupas, espancaram-no e se foram, deixando-o quase morto. Aconteceu estar descendo pela mesma estrada um sacerdote. Quando viu o homem, passou pelo outro lado. E assim também um levita; quando chegou ao lugar e o viu, passou pelo outro lado. Mas um samaritano, estando de viagem, chegou onde se encontrava o homem e, quando o viu, teve piedade dele. Aproximou-se, enfaixou-lhe as feridas, derramando nelas vinho e óleo. Depois colocou-o sobre o seu próprio animal, levou-o para uma hospedaria e cuidou dele. No dia seguinte, deu dois denários ao hospedeiro e disse-lhe: ‘Cuide dele. Quando voltar lhe pagarei todas as despesas que você tiver’. “Qual destes três você acha que foi o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes? ” “Aquele que teve misericórdia dele”, respondeu o perito na lei. Jesus lhe disse: “Vá e faça o mesmo”.


Lucas 10: 25-37

[Ref.: Ex 22.22 / Lv 19.18 / Dt 15.7; 23.25 / Sl 140.12 / Pv 31.20 / Is 1.17; 25.4; 41.17 / Jo 13.34-35; 15.12-13,17 / Zc 7.10 / Rm 13.8; 15.2 / Gl 6.9,10 / Tg 1.27; 2.8 / Hb 13.1-3]

Quem nunca reparou, mesmo que de longe, ao longo de sua vida cristã, seja na igreja onde congregam, no meio acadêmico, escolar, na roda de amigos, família, parentes, ou mesmo entre seus vizinhos, quando alguém começa “sumir do meio”, e então depois de um tempo ou “de repente” algo trágico ocorre com este alguém e quando notamos, já é tarde de mais para se preocupar e fazer algo a respeito? Na maioria dos casos, havendo algum altruísmo de nossa parte e compaixão por essas vidas (ou pelo menos é o que se espera), nos questionamos onde erramos, um sentimento de culpa, ainda que indireto, bate forte, mas já é tarde.

Se importar, ter zelo e prestar socorro a alguém a quem conhecemos e temos afinidade pode ser uma tarefa fácil, mas e quando se trata de um desconhecido, do menos favorecido, aqueles a quem temos pouca ou nenhuma afinidade?

Em nossas igrejas, sempre há grupos aos quais teremos uma interação maior ou menor, principalmente quando estamos ligados a atividades de algum ministério/departamento ou mesmo a uma posição de liderança. Ok, ninguém é onisciente e onipresente, senão Deus, abraçar todas as carências que temos ciência sem sermos consumidos por elas no processo, é claramente um processo impossível, mas podemos lidar e suportar tudo que o Deus permite e faz cruzar nosso caminho, uma coisa de cada vez dentro possível em nossos limites.

Agora, uma questão final para refletir:
Perante Deus, se testemunhamos alguém entre nós, ou “um desconhecido” talvez, que tenha se afastado dos caminhos do Senhor, ou esteja passando por momentos difíceis, e o Senhor nós incomoda a prestar auxílio, qual o nosso nível de prontidão para atender a Suas ordens? Pensamos no que vão pensar de nós, ou agimos porque sabemos que será para o bem de alguém e Deus se agrada nisso?

Para concluir, o comportamento altruísta, zeloso e compassivo bíblico que descreve plenamente o “amor ao próximo” não se limita as 4 paredes de uma igreja ou a uma função eclesiástica, é mandamento base para todo e qualquer cristão ou mesmo judeu que se preze, porque prestar ajuda ao órfão, a viúva, ao pobre e ao necessitado é algo que o Senhor prega ao seu povo como mandamento desde o antigo testamento. Se Deus nos faz/permite cruzar o caminho de pessoas passando alguma necessidade, Ele sabe o que faz, que nessas horas, sempre busquemos agir com sabedoria e humildade, reconhecendo nosso lugar no reino, fazendo tudo para a glória dEle.