Insensatez humana

A maior certeza que temos na vida, é a da nossa morte, exceto pelo dia exato em que isso ocorrerá.

Certa vez Jesus trouxe a seguinte parábola para responder e repreender a dois irmãos que brigavam pela porcentagem da herança que tinham, e também para ensinar a multidão corretamente disse o seguinte:

E disse-lhes: Acautelai-vos e guardai-vos da avareza; porque a vida de qualquer não consiste na abundância do que possui.
E propôs-lhe uma parábola, dizendo: A herdade de um homem rico tinha produzido com abundância;
E arrazoava ele entre si, dizendo: Que farei? Não tenho onde recolher os meus frutos.
E disse: Farei isto: Derrubarei os meus celeiros, e edificarei outros maiores, e ali recolherei todas as minhas novidades e os meus bens;
E direi a minha alma: Alma, tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e folga.
Mas Deus lhe disse: Louco! esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?
Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico para com Deus.
E disse aos seus discípulos: Portanto vos digo: Não estejais apreensivos pela vossa vida, sobre o que comereis, nem pelo corpo, sobre o que vestireis.
Mais é a vida do que o sustento, e o corpo mais do que as vestes.

Lucas 12:15-23

No velho testamento temos a passagem que diz Jó:

E disse: Nu saí do ventre de minha mãe e nu tornarei para lá; o Senhor o deu, e o Senhor o tomou: bendito seja o nome do Senhor.
Jó 1:21

Muitos de nós, humanos somos facilmente influenciados pelas mudanças no poder aquisitivo que possuímos, nos prendemos a coisas e bens materiais, sujeitos a elevação de um sentimento de avareza, ganância, orgulho e na primeira oportunidade em que passamos a ter um poder a aquisitivo maior do que de costume, uma situação financeira mais do que agradável, salvo raras exceções, focam-se apenas em colecionar bens materiais, riquezas, cargos status na sociedade apenas para ser visto, ser popular, ser aceito pelo povo, pela sociedade formadora de opinião.

Estes, em muitos casos, cegos por sua avareza, esquecem que ao fim de suas vidas, não passaram de meros corpos embalados em caixões estupidamente decorados (ou não) para só depois alimentar a terra, ou tornar-se em cinzas (fruto de cremação) numa urna funerária ou a ser levado pelo vento. Logo todas as suas vaidades, fetiches e bens materiais, paixões, amantes, amigos e familiares ficam e o corpo perece e entra em decomposição depois de um tempo. E sua alma o que ganha com isso que acumulou para si? Absolutamente NADA, não leva nada, tudo fica para trás e nada disso garantirá a salvação de sua alma!

Porque qualquer que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, mas, qualquer que perder a sua vida por amor de mim e do evangelho, esse a salvará.
Pois, que aproveitaria ao homem ganhar todo o mundo e perder a sua alma?

Marcos 8:35-36

Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.
Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas?
E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade.
Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras, e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha;

Mateus 7:21-24

Por estar certo que não sabemos como será o dia de amanhã, não dominamos o futuro (que somente à Deus pertence), levanto-te a seguinte pergunta: Se você, eu ou nos todos morressemos amanhã, de madrugada, pela noite ou mesmo nas próximas 5 horas ou nos próximos 30 minutos, não importa a causa, sem prévio aviso, óbvio, ou chance de consertar algo, estaríamos seguros, certos de nossa salvação perante Deus? Oferecemos ou pedimos (verdadeiramente) o perdão à Deus (primeiramente) e quem devíamos? Fizemos a vontade dEle estar acima da nossa, estar no centro de sua vontade? Vivemos a “nossa vidinha” ou a que o mundo impôs para ser aceito por ele?  Vivemos, praticamos e passamos adiante o seu amor para com o próximo, mais do que a nós mesmos ou colecionamos inimigos de forma inconsequente?

Que isso seja por reflexão a todos nós, leiam Lucas 16, a parábola citada ao fim, à respeito de um senhor rico e Lázaro, um mendigo que vivia à porta de sua casa pedindo por alimento e o fim que ambos tiveram.

Amo a todos vocês, Feliz 2014!

E finalmente para refletir, segue os vídeos abaixo:

E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra.
2 Crônicas 7:14

E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.
João 8:32

Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.
João 14:6

Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.
João 8:36

Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito.
Porque a lei do Espírito de vida, em Cristo Jesus, me livrou da lei do pecado e da morte.
Romanos 8:1-2